Lafrank

Description:
Bio:

Seu passado é um pouco conturbado, desde pequeno tinha algumas dificuldades em fazer amigos suas atitudes mudavam muito de uma hora para outra.
Quando criança sempre morou em uma pequena vila com seus pais, onde cuidavam de alguns animais. Em uma tranquila tarde de outono, Lafrank estava brincando com o cachorro da família enquanto sua mãe preparava o desjejum. Depois de alguns minutos Lafrank entrou correndo e chorando com o corpo de um dos cachorrinhos imóvel em seus braços. Sem entender o ocorrido e perplexa ela apenas faz o garotinho parar de chorar enquanto o pai enterrava o corpo do animal.
Porém isso voltou a acontecer novamente, primeiro foi um cachorro, depois outro, depois passou a ser animais da propriedade, galinhas, cabras até que, quando Lafrank completou 6 anos, o pai descobriu que todas as mortes estranhas dos animais eram sua culpa. Sua mãe desesperada, não acreditava que ele era capaz daquilo, mas em uma noite, em frente a entrada de sua pequena casebre ela teve a prova.
Em um momento ele estava chorando, dizendo que não seria capaz de tal coisa e de como gostava dos animais, porém segundos depois seu rosto ainda estava vermelho pelas lágrimas, porém não apresentava mais o mesmo aspecto, em seus lábios surgiram um sorriso, seus olhos pareciam longe, e tudo que ele fazia era rir.
Como ultima tentativa, alguns magos e até mesmo padres foram chamados para tentar descobrir como que em um momento aquele garotinho era a coisa mais inofensiva do mundo, e em outro estava destroçando animais e vidas como se não fossem nada.
Talvez por sorte ou destino, um Clérigo viajante chamado Gauteric Feller que passava pela vila ouviu a história do garoto, e decidiu dar uma olhada com os próprios olhos.
Seus pais já não aguentavam mais, e em um ultimo “ataque” ele teria tentado esfaquear sua mãe enquanto ela dormia, mas sempre dizendo que não lembrava de ter feito as coisas que fez, como se fosse duas pessoas diferentes em cada momento.
O clérigo viu algo de especial naquele garoto, por mais estranho e macabro que fosse os acontecimentos em sua casa, conversou com os pais dele para leva-lo para ser “tratado” e aprender mais sobre a sua fé. Sem pensar duas vezes, eles aceitaram, e então Gauteric partiu com o pequeno garoto estranho que encontrara.
Com o passar dos anos, Gauteric começou a entender como a cabeça do garoto funcionava, ensinando e tratando bastante com o outro lado de Lafrank, o garoto foi envelhecendo e começando a entender sobre seu outro “eu”.
Decidiu seguir os passos de seu tutor e assim carregar seu nome, não lembra qual seria seu verdadeiro sobrenome mas depois que começou a louvar Hextor, Deus da conquista. Mostrava sempre que mesmo louvando um Deus da Guerra, a guerra existe por uma razão, por um sonho de mudança e de paz, nisso dando o exemplo dos dois lados de Lafrank, e que um lado deve conviver em “harmonia” com o outro e que tinha certeza que aquele menininho não tinha aparecido em sua vida por acaso.
Quando Lafrank chegou nos seus 24 anos, estava em uma viajem de aprendizado com Gauteric por uma antiga ruina onde louvavam o Deus Ares, onde Gauteric acabou caindo em uma armadilha para salvar Lafrank, e acabou morrendo depois disso.
Voltando para o templo, os outros sacerdotes sabiam da história de vida do garoto, que agora já era um Clérigo e apontaram seus dedos dizendo que foi essa segunda personalidade dele quem matou Gauteric. Entre gritos, xingoes, apontamentos e raiva estavam decidindo o que fazer com ele, ia desde expulsão até ser um sacrifício para Hextor em oferenda pela salvação de Gauteric.
Perdendo o controle, enquanto via todas aquelas pessoas que viveram junto com ele apontando-o, caiu em desespero e sua segunda personalidade tomou total controle do seu corpo, como uma forma de defesa para proteger o garoto, acabou matando todos dali e quando ele voltou a si, estava cheio de sangue e havia dizimado a quem chamara de familia.
Ficou pelos arredores por quase um ano, se culpando e desejando que de qualquer forma sua vida acabasse pois sua cabeça não suportava o que tinha feito, porém todas suas tentativas de acabar com a própria vida fora falha pois sua segunda personalidade o protegia e fazia com que as tentativas falhassem.
Começou a ter contato com essa personalidade em seus sonhos, onde se via falando consigo mesmo, entendeu como uma mensagem pelos seus erros, e decidiu que os ensinamentos de seu tutor não fossem esquecidos, começou a buscar redenção ajudando as pessoas que de certa forma a sociedade ignora, os doentes e os desesperados. Achou assim uma missão de reconciliação consigo mesmo, com seu deus e com tudo de ruim que teria feito.
Continua vagando desde então, fazendo amigos e protegendo todos que pode, sua segunda personalidade apenas aparece em momentos para defender a primeira.
Passou por várias cidades, ajudando sempre quem precisa, uma vez deu mantimentos para um Tiefling no meio da estrada, em outra curou um bárbaro que fora assalto e esfaqueado. Suas boas ações não se distinguiram de sua personalidade gentil, sempre tenta mostrar para os outros um lado bom de tudo.
Quando finalmente esteve pronto, e com coragem, decidiu sair em viagem para Greenest encontrar Eadyan Falcommoon, um velho amigo de Gauteric e contar a ele sobre o ocorrido.

Lafrank

Tiamat Lafrank